Remédio para Calvície Provoca Disfunção Erétil?

Pior que sim, e realmente está na bula. Mas quem lê toda a bula de um remédio? Entre os efeitos colaterais de um dos medicamentos mais utilizados para prevenir a calvície, cujo princípio ativo é a finasterida, consta a possibilidade de diminuição da libido e a disfunção erétil. Bastou isso para a criação de uma série de exageros, mitos e piadinhas em relação ao tratamento do problema, desinformando e inibindo os homens que não se sentem confortáveis com a perda de cabelo. “O efeito colateral, além de muito raro, é temporário e reversível. A reação indesejada deixa de se manifestar assim que o uso do medicamento é interrompido”, esclarece Geraldo Magela Magalhães, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Minas Gerais.

Magalhães ressalta ainda que não existe apenas uma opção para prevenir e tratar a calvície masculina. A forma mais comum – a alopecia androgenética masculina – tem origem no histórico familiar, como o próprio nome indica. Mas ela não é a única forma, a exemplo das alopecias de origem autoimune. “Todo homem que observe um início de queda de cabelo deve consultar um dermatologista para confirmar a causa e decidir qual é o melhor tratamento. Apenas a partir da avaliação médica e do exame específico é possível definir o tipo e o grau (extensão) de calvície e indicar o medicamento, seja de uso tópico ou oral”, frisa o especialista.

A partir dessa avaliação, é possível utilizar substâncias com efeito semelhante ao da finasterida, mas de uso tópico. O dermatologista explica que, além dos medicamentos mais conhecidos, dos grupos da finasterida (uso oral) e do minoxidil, existe o grupo do alfaestradiol, também de uso tópico, ou seja, aplicação no couro cabeludo. “Independentemente do método escolhido, é importante lembrar que todo tratamento para calvície genética masculina deverá ser feito por tempo indeterminado – ou seja, para o resto da vida, com avaliações periódicas e acompanhamento”, salienta Magalhães.

Em outras palavras, não existe a cura da alopecia androgenética. Para minimizar ou interromper a excessiva perda dos fios, o paciente deverá continuar sendo medicado por toda a vida.

Outros mitos
Outro exagero que circula entre as rodinhas de amigos é: se eu parar de tomar o remédio, todo o cabelo que não havia caído durante o tratamento vai cair de uma vez. “O cabelo seguirá o ritmo normal da queda , que aconteceria caso a pessoa não estivesse se tratando. Não será algo repentino ou mais rápido do que o normal”, explica Magalhães.

Em pessoas geneticamente predispostas, a ingestão excessiva de vitaminas ou ainda o uso de anabolizantes também podem causar a queda de cabelo. Apesar de existir essa possibilidade, para ter certeza é preciso fazer o diagnóstico clínico e estabelecer a relação causal exata. A análise abrange a consulta dermatológica e um exame de imagem, geralmente realizado no próprio consultório, chamado tricoscopia, realizado com um fotovideodermatoscópio. Apesar do nome, o exame é rápido, indolor e não invasivo. Basicamente, a lente do aparelho amplia o couro cabeludo, permitindo avaliar o folículo piloso e outros sinais que indiquem o tipo e grau da calvície.

Uma outra dúvida comum é sobre a idade certa para procurar o médico e o tratamento, se for o caso. “Não existe uma idade definida e é possível tratar em qualquer idade. Há pessoas que já enfrentam os sinais da calvície aos 18 anos e outras que só vão notar alguma perda depois dos 35. Mas é claro que, se o paciente chegar à consulta com uma extensão grande de calvície, os resultados serão menos expressivos. Quanto mais cedo, melhor”, define o médico.

Geraldo Magalhães esclarece ainda uma outra confusão frequente. “O tratamento não vai fazer nascer cabelo. Vai prevenir a queda e retardar o processo. Não é a idade que define o sucesso do tratamento, e sim o grau de evolução da alopecia”, resume o dermatologista.

E aquela história de que é a família da mãe que define se o rapaz vai ficar careca ou não? “Os aspectos genéticos da queda de cabelo masculina ainda não foram totalmente esclarecidos. Ela é multifatorial e relacionada a vários genes, ou seja, não há um padrão uniforme. Pode vir do pai ou da mãe”, completa o presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia/Regional MG. Alguns acreditam que é dos carecas que eles/elas gostam mais, mas, aos olhos da saúde e da medicina, continua valendo mesmo uma outra velha máxima: cada caso é um caso.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que metade da população masculina do planeta terá algum grau de calvície até os 50 anos. A culpa é o dihidrotestosterona (DHT), hormônio derivado da testosterona, maior responsável pela queda do cabelo. As mulheres também a produzem, mas em quantidade muito menor. A estatística indica que o problema afeta apenas 5% delas.

A alopecia androgenética, chamada popularmente de calvície hereditária, é caracterizada por um afinamento dos fios, na maioria das vezes de forma lenta e progressiva. Não custa lembrar que calvície e queda de cabelo são coisas diferentes. A queda de cabelo pode ser causada (e revertida) pro problemas relacionados ao stress, ao fumo, ao uso de tintura e à alimentação, sem fundo genético.

Uma boa opção para evitar estes efeitos indesejados é experimentado no Hair Loss Blocker. Vale a pena você testar também. Ele tem garantia de satisfação de 30 dias, se não gostar você devolve e recebe o seu dinheiro todo de volta.

 

Fonte: www.uai.com.br

Calvície Masculina – Etapas e Tratamento

Possuir cabelos saudáveis e abundantes dá uma imagem jovem e cheia de vitalidade, levando a uma sensação de autoconfiança.

O causador mais comum da queda capilar, é a calvície também conhecida como alopecia, podendo distinguir-se através de três níveis diferentes.

Calvície Masculina – Tipos de Alopecia

 Calvície masculina

Alopecia androgênica

Forma mais comum de calvície e afeta principalmente os homens. O cabelo torna-se gradualmente mais fino e os folículos mais fracos. Os tratamentos para a perda de cabelo atuam melhor nesta fase, cessando a queda e regenerando o cabelo.

Alopecia por zonas

Trata-se de uma evolução da anterior, levando à perda de cabelo em determinadas zonas do couro cabeludo. Nesta fase, os tratamentos para a queda de cabelo ainda podem ser muito eficazes.

Alopecia total

Se manifesta através de uma perda total de cabelo em todo o couro cabeludo. Neste caso, os tratamentos para a perda capilar não apresentam resultados satisfatórios.

A perda de cabelo pode ter início em qualquer idade e quanto mais cedo a começar a tratar, maiores as taxas de êxito. Se tem notado enfraquecimento do cabelo e está preocupado com a sua queda, pode consultar mais informações sobre as possíveis causas desta condição e os diferentes tratamentos disponíveis.

Causas de calvície?

Calvície masculina

A perda de cabelo deve-se, na maioria dos casos, a causas genéticas e hereditárias, ditadas pela sensibilidade ao hormônio di-hidrotestosterona (DHT).

Este hormônio é produzida por todos os homens, mas por razões desconhecidas, pode afetar os folículos do couro cabeludo, tornando-os incapazes de produzir cabelo.

Entre outros motivos que podem causar queda capilar estão os shampoos, amaciantes ou géis para cabelo que afetem os folículos capilares, conduzindo à alopecia.

No caso das mulheres, devido às baixas concentrações de testosterona, há muito poucos casos de alopecia.

Etapas da Calvície Masculina

Poderá levar anos até que um homem que sofra de calvície hereditária, a causa mais comum de calvície, demonstre sintomas visíveis.

Pelo fato da calvície se desenvolver de forma gradual e não de forma esporádica, é possível identificar o problema a tempo e atuar para impedir o aumento do processo.

Caso a calvície esteja presente em algum membro da sua família, é possível que você também herde esta condição.

Etapa 1

Esta primeira etapa da calvície hereditária masculina, apresenta uma recessão ligeira do cabelo da parte frontal do couro cabeludo e da parte lateral.

Ainda que aqui não haja uma indicação clara de calvície masculina, pode adotar um tratamento se houver histórico de calvície masculina na sua família.

Etapa 2

Já na segunda etapa da calvície hereditária masculina a linha frontal do cabelo, das têmporas e os lados começam a retroceder.

Ao mesmo tempo, o cabelo da parte frontal da cabeça torna-se mais fino.

Cabe lembrar que estes sintomas iniciais de queda de cabelo demoram bastante tempo até que se convertam em calvície, mas se está preocupado pode receber tratamento para travar o processo.

Etapa 3

Já na terceira etapa a linha do cabelo por cima das têmporas já recuou aproximadamente 1,5 cm atrás da orelha.

Na parte frontal da cabeça o cabelo continua mais fino como resultado de um ciclo piloso mais lento.

A velocidade com que ocorrem estes sintomas depende da atividade da pessoa.

Etapa 4

Esta etapa, é o meio caminho do processo de calvície, o homem afetado poderá ver parte do seu couro cabeludo sem cabelo, principalmente na parte frontal e no topo da cabeça.

Ainda que os lados e a parte de trás da cabeça não estejam afetados, o cabelo torna-se mais fino.

Nesta fase deve ser considerado a busca de tratamentos se desejar que a situação não evolua e ou venha a cessar.

Etapa 5

Nesta quinta etapa a zona calva da parte superior e traseira da cabeça expande-se, assim como as áreas afetadas pela queda de cabelo à frente e de lado.

É muito provável que a queda de cabelo ligue as zonas calvas do couro cabeludo já existentes, formando-se uma área sem cabelo muito maior.

Até esta fase, pode estar recomendado um tratamento para a calvície.

Etapa 6

Esta é a penúltima fase da calvície hereditária masculina, com o cabelo da parte superior da cabeça completamente ausente.

A queda de cabelo também estará presente nos lados e na parte de trás da cabeça.

Uma vez que nesta etapa já se perdeu a maior parte do cabelo, os tratamentos médicos convencionais são pouco eficazes.

Etapa 7

Homens que chegam a esta última etapa da calvície masculina apenas têm algum cabelo na parte de trás da cabeça e dos lados, sendo estes finos e frágeis.

Quando devo começar o tratamento?

Nunca é demasiado cedo para procurar uma solução a longo prazo para a calvície masculina.

Verdadeiramente, quando mais cedo procurar tratamento, maiores são as probabilidades de você recuperar o seu cabelo por completo.

Existe dois suplementos recomendados, que tem conseguido resultados bem satisfatórios para os seus usuários: o Follixin e o HairLoss Blocker. Ambos são suplementos elaborados a base de ingredientes naturais e portanto não agridem o seu corpo.

Homens que sentem os primeiros sinais de queda capilar, podem experimentar resultados muito positivos com estes suplementos.

A leitura deste artigo poderá te trazer boas alternativas para a redução ou eliminação da calvície. Não deixe de ler, aconselho…